Banksy – 9/11 Tribute
dia de notícias n’américa:
20 anos do novecentos e onze.
é um aniversário ao contrário,
comemorando a tragédia dos erros.
“tudo inesperado”, dizem
sem o serem…

a américa não aprende mesmo!

qualquer pessoa razoável diria
que depois de saigon, não
deveria haver afeganistão.
mas não… deram-lhes
20 anos de “democracia”
foi bom? foi bom?
egoístas
     xenófobos
agora abandonam aliados à própria sorte.
a américa cospe no prato que come…
não se deve confiar em quem cospe no prato que come.

é a china agora que ameaça a supremacia americana.
bom seria aprenderem, antes que tarde,
que a china nunca seria democratizada,
e nenhuma guerra contra a china seria ganha:
capitalismo ocidental vs capitalismo oriental
aquele expansivo & predador, e este também
o lucro é o prejuízo do resto do mundo
     inclusive o planeta!

parar a china seria deixar de vender
infraestrutura aos chineses –
     algum país?
parar a china seria deixar de consumir
artigos inúteis chineses –
     alguém deixaria?
parar a china seria deslocar a mão-de-obra
para onde se paga salários mais altos –
     alguma empresa?
parar a china seria descartarmos celulares descartáveis
programado para ficar obsoleto em um ou dois anos –
     vai um celular obsoleto aí?
parar a china seria sacrificar o consumo…
coisa impensável, não só na américa –
     alguém está disposto?

e apesar das alterações climáticas –
     furacões
          tempestades
               inundações
                    incêndios
               alteração das marés
          alteração das temperaturas
     estações do ano viradas de ponta-cabeça
– nenhum americano está disposto a abdicar
     do carro brutal,
          do ar condicionado
     do bife industrial
e de tudo o que seria preciso para salvar o planeta.
alguém mais?

a américa não sabe alimentar-se
a américa não sabe cuidar-se
e apesar dos pesares,
jornais sofisticados publicam
receitas carregadas de
     açúcar &
          gorduras &
               carbohidratos &
          …
     os vilões do excesso.

a fórmula é simples:

        porções gigantes
      + alimentação desregrada
      + consumo imoderado de:
       (sal, comida processada, refrigerantes)
       ----------------------------------------------------------
       percentagem alucinante de gente
                 doente
               obesa,
                    diabética,
                         cardíaca.

estaríamos nós, o “resto do mundo”, nos americanizando?

“americanos. demasiadamente americanos – diria o filósofo enlouquecido.”

a américa inventou as novas tecnologias
das redes sociais pseudogratuitas
que enriquecem os já ricos acionistas
às custas do tráfico de dados dos usuários –
     usuários-dependentes
          entorpecidos
– sem entenderem a inversão de poder que isso representa.

no silicon valley recrutam políticos-marionetes,
o capitólio foi invadido pela doença política americana
as migrações das subculturas sulamericanas
o racismo e a censura que cancela pessoas e culturas,
o empobrecimento da classe média e o isolacionismo ignorante
– e confortante – de não saberem onde fica o resto do mundo…

e junte a este caldo os fundamentalistas
os terroristas internos, os assassinos
que continuam a matar indiscriminadamente,
os fanáticos defensores do porte de armas,
o lobby da guerra e seus inimigos imaginários,
e os que rezam pelo regresso messiânico de trump,
onde o corona faz razia com base no egoísmo coletivo
nos maus hábitos e na resistência supersticiosa
ou ideológica dos anti-vaxxer (libertários ou egoístas)

está-se de um lado ou de outro
e “os outros” jamais aceitarão submeter-se.

Manchete:

“Ex-marine armado mata 12 em bar country da Califórnia”

por quê? perguntaria você, não americano.
porque tinha síndrome pós-traumático?
porque sofria de perturbações?
porque “não prestavam” (palavras dele)?
porque sim…
mas sobretudo porque tinha acesso a armas.

o sol se põe no império americano
neste 11 de Setembro de 2021…
não era bem isto que se esperava.